Espíritos livres ou corações solitários?

livres

É tão estranho pensar no que nos faz se apegar a alguém e escolher estar somente com apenas um pessoa, nos dias de hoje, onde tudo está tão fácil, em um mundo onde relacionamentos começam e terminam em um piscar de olhos. Como podemos escolher entre a liberdade de viver a vida sem amarras ou estar “preso” a alguém? A verdade é que, a maioria das pessoas não sabe separar uma coisa da outra e quando estão em um relacionamento sério querem viver apenas as partes boas de cada um, tanto o lado bom que a liberdade traz quanto às coisas boas que o namoro traz. Não podemos ter tudo. Tanto a liberdade quanto um relacionamento tem os seus pontos fortes e fracos.  Para um relacionamento dar certo é preciso muito mais do que disponibilidade das duas partes, é preciso comprometimento.

O pior é que cada um só vê o que conhece como o melhor jeito de amar. Mas há tantas maneiras de amar alguém, como saber qual é o melhor jeito? Como entender qual é o caminho que trará mais felicidade? Não há problema em querer ser “livre”, mas aquelas pessoas que escolhem esse caminho, não conseguem ver que na verdade estão buscando um caminho difícil e sozinho e solidão é sentir um vazio que nem mesmo você consegue preencher mesmo estando no meio de milhões de pessoas.  Vou te contar uma história; a mesma história vista de duas maneiras diferentes. Existem duas pessoas apaixonadas, uma é carinhosa e se entrega completamente, e o (a) outro (a) é fechado e não sabe se expressar apesar de parecer vibrante e espontânea carrega em si sentimentos que às vezes não mostra nem a si mesmo.  No ponto de vista da mulher fechada, a história é sobre uma mulher que gosta de viver, gosta de viver absolutamente tudo da maneira mais intensa possível, mas isso quer dizer viver através de momentos e os momentos passam. As pessoas à acham fria mas na verdade é o oposto, ela é intensa e por isso vive cada dia como se fosse o último e se for mesmo o último? Que seja, um dia atrás do outro é o que ela diria. Na visão dela, ela não é fria e na visão dela, ela se compromete ao relacionamento até escolher que o momento certo de se comprometer e quando percebe, esse momento passou. Seguir em frente para ser feliz é esse o seu lema. A liberdade está em escolher viver os momentos à sua maneira e escolher quem amar e quando amar, esse é verdadeiro poder da liberdade.

Amor é quando duas pessoas se tornam uma e para essa mulher, cada amor para no tempo até decidirmos que o tempo acabou que nem um por do sol. E isso quer dizer que ela ama menos? Talvez sim, talvez não, o importante é ver que para essa mulher ela também sente, também ama e também se machuca. Você a inveja por saber separar esse sentimento ou tem medo de sua intensidade? A verdade é que muita gente tem medo até de se aproximar de pessoas que são livres demais porque sabem que elas não vão ficar muito tempo e que é muito difícil prender uma pessoa assim.  É  a parte do comprometido que é difícil, para uma pessoa com o espirito “livre”, pois é difícil deixar  outra pessoa “invadir” seu espaço. Muitas vezes essa maneira intensa de agir acaba afastando as pessoas que não estão tão acostumadas com isso. A palavra invadir encaixa bem no que sentimos nesse momento, parece que a pessoa está roubando seu momento e seu espaço, sua liberdade. Parece que tenho que deixar de ser eu, para ser nós, e isso não é fácil de aceitar, também fica difícil aceitar alguém assim. Afinal como se comprometer com alguém tendo que age e sente pelos dois? Relacionamentos são uma via de mão dupla, se um não faz como pode o outro fazer pelos dois?

Para ela, os laços são fixos por um determinado tempo e mesmo que o tempo passe e mesmo que surjam outros caminhos, elas seguem a vida e continuam vivendo da maneira que dá, mas as lembranças dos antigos relacionamentos permanecem vivas dentro dela em um  sentimento como se fossem jogadores no banco de reserva pronto para entrar em campo a qualquer momento enquanto para outras quando esses laços se rompem é preciso sentir todo o sofrimento até que esse se esgote por completo  para só então seguir em frente.  Ter alguém perto de você para te ajudar é assustador para alguém que teve que viver a vida inteira sozinha.  Quer dizer,  para fazer bem tem que fazer você mesmo, certo? É assim que pensam, é assim que pessoas de espirito livrem se fortalecem. Por que apesar de sentir, de amar e de querer estar ao lado de quem ama as pessoas sempre vão embora e uma hora você tem que agir sozinha. Como me entregar se eu quero ser livre para viverem outras coisas? Talvez seja um meio de proteger, talvez pessoas “livres” sejam apenas medrosas que não sabem deixar os outros ajudarem, não sabe deixar o outro te amar. Para pessoas assim, viver intensamente cada momento é dar tudo de si e demonstrar o amor de uma maneira completa.  Isso não quer dizer que os antigos amores que passaram pela sua vida foram esquecidos, eles que a transformaram no que ela é hoje e o que ficou foram apenas às boas experiências vividas não o amor, pois esse é um só, ela não consegue dividir esse amor para cada relacionamento que passou. Claro que tem coisas boas,  não tem o famoso “você não pode isso” . POSSO SIM e posso sozinha, mas e quando você consegue fazer algo bom, para quem vai contar?

Essa é a parte de boa de ter alguém ao seu lado, uma pessoa para dividir as conquistas, aqueles momentos bons que acontecem no seu dia e você só pensa em ir correndo contar para aquela pessoa que te entende tão bem ou então quanto acontece alguma coisa ruim e você sabe que pode correr e se “esconder” nos braços daquela pessoa que é o seu porto seguro, o lugar para onde você quer voltar no fim de uma longa jornada. Se entregar para um relacionamento é estar pronto para receber tanto o lado bom quando o lado ruim de alguém, aqueles pequenos defeitos que podem fazer a diferença, mas que você não se importa. Alguns sentimentos estão incluídos nessa lista: o medo que é o que impede muitas vezes de começar um relacionamento e o egoísmo que impede de viver e dividir os melhores momentos ao lado de alguém especial. Quando as pessoas são muito diferentes é preciso encontrar um meio termo para que o amor possa evoluir da maneira mais bonita e pura que é quando até mesmo as pessoas de “espírito livre” percebem que precisam de alguém para compartilhar a vida. E que espíritos livres também precisam de um porto seguro para repousar.  repouso

Texto escrito em parceria com a Débora do blog Rabiscos de Uma Escritora. Para ler outros textos da autora clique aqui.

biome

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s