Existe pessoa certa?

Não existe ‘pessoa certa’. Procurá-la só provoca ansiedade e frustração

A ideia de que existe uma cara-metade ideal para cada um de nós dificulta a vida amorosa de muita gente. Na busca pelo “certo”, algumas pessoas descartam parceiros como “errados” antes mesmo de conhecê-los e de tentar administrar os conflitos naturais da união.

Imagem

Quem nunca ouviu falar de alguém que teve uma briga com o parceiro, e acabou falando: “Eu não sou a pessoa certa pra ela (ou ele)…”. Ou quem nunca passou por isso?!

Muitos parceiros reagem assim quando a relação não vai bem. Concluem que os desentendimentos acontecem porque estão com a pessoa errada, ou, porque eles é que não são os “certos”. Tal atitude revela a crença de que em algum lugar existe uma única pessoa que nos fará feliz e com a qual a relação será fácil e sem problemas. Essa maneira romântica de pensar é nutrida pelas novelas, livros e filmes, que não mostram o dia a dia das relações nem o trabalho diário de construir e reconstruir os relacionamentos para que eles sejam duradouros.

Muitos são os efeitos indesejados desse modo de pensar. O primeiro é a ilusão de que basta procurar bem que em algum momento vamos dar de cara com a tal “pessoa certa”. Quem pensa assim desenvolve ansiedade em conhecer parceiros, envolve-se com muitos, mas as relações são superficiais, porque assim que os problemas aparecem se frustra, entende que está perdendo tempo com a “pessoa errada” e rompe a relação. Parte logo em seguida para uma nova conquista, à procura da cara-metade ideal. Vive numa rotina de ansiedade e frustração.

O segundo efeito colateral decorre do primeiro. Trata-se de acreditar que as dificuldades naturais que surgem nas relações são insuperáveis porque são decorrentes de diferenças entre pessoas que não deveriam se relacionar, já que são “erradas” uma para a outra.

Essa crença dá origem ao terceiro efeito danoso, que é empenhar-se menos em resolver as diferenças que dificultam a relação. Quando se acredita que existe a “pessoa certa”, com a qual se viverá feliz para sempre, tende-se a ver o parceiro que desafia seu modo de ser e seus hábitos como “errado” e não apenas como diferente. O resultado é que a pessoa rompe a relação antes de se permitir conviver com as diferenças de hábitos e costumes e buscar alternativas de solução para os impasses. Como o rompimento vem antes que ela conheça bem o parceiro, não tem a convicção de que ele seja mesmo a “pessoa errada”, embora, paradoxalmente, nutra a certeza de que não é a “certa”. Essa condição paradoxal impede que a pessoa mantenha o rompimento e com frequência o casal retoma a relação para algum tempo depois romper de novo, e assim sucessivamente.

O quarto efeito é o sentimento de baixa autoestima decorrente da ideia de que não se é o “certo” para quem se ama. Isso é o mesmo que acreditar que há alguém mais merecedor de nosso parceiro do que nós.

Quando brigas são frequentes há que se analisar o modo como o casal faz concessões, como administra os limites de cada um e como resolve suas diferenças. O erro está por aí. A “pessoa certa” é aquela que se entrega e se empenha conosco em superar as dificuldades naturais da vida a dois. É aquela que se compromete conosco em fazer dar certo!

Fonte: CARAS Online

biome

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s